Nova geração de leitores e internautas do bairro são guiados pelo Farol do Saber

Compartilhe!

Biblioteca pública garante excelente navegação pelo conhecimento

 

Por Saulo Schmaedecke, jornalista e fotógrafo

Há 21 anos em atividade, o Farol orienta jovens em pesquisas, crianças em jogos de xadrez e pessoas de todas as idades que trabalham nas ruas e que podem se refrescar com água e a temperatura agradável que faz graças ao ar-condicionado instalado na última reforma. “Essa ideia de que a biblioteca é um lugar fechado e escuro e que tem uma bibliotecária braba atrás de um balcão pedindo silêncio, isso não existe aqui!”, conta a professora Débora Gabardo, uma das primeiras agentes de leitura do Farol.

“Eu li o livro “O Guia do Mochileiro das Galáxias”. É um dos livros mais engraça dos e criativos que eu li. Uma das coisas que eu acho que ajuda ele ser assim são as perguntas profundas. De onde viemos? Para onde vamos? Vamos comer o que amanhã?”

Ela determina a importância de “atualizar o público e ter uma mente aberta” para novas culturas durante a formação de novos leitores. Nas palavras de Débora, “a biblioteca é um espaço para todo mundo”. A agente de leitura confirma o gosto da juventude pela literatura de horror, fato levantado na edição de janeiro do Jornal da CIC. “Histórias de Assombração” e “Contos de Terror” são dois títulos que estão no topo da lista de empréstimos. “Às vezes, um best-seller dá acesso ao clássico”, explica a agente.

 

Marina, Débora e Leila: anfitriãs do Farol do Saber Frei Miguel

Existe um mural de bilhetes com recomendações de livros por quem frequenta o Farol: “Eu li o livro “O Guia do Mochileiro das Galáxias” ele é um dos livros mais engraçados e criativos que eu li. Uma das coisas que eu acho que ajuda ele ser assim são as perguntas profundas. De onde viemos? Para onde vamos? Vamos comer o que amanhã?”

Há também disponível “O Mistério do Cinco Estrelas”, livro escrito por Marcos Rey em 1981 para a Série Vaga-Lume, eterno sucesso editorial entre jovens e adultos. Existe uma caixa com 12 exemplares desta memorável série que ainda alimenta a curiosidade de potenciais detetives brasileiros.

Terra à vista

Marina é a estagiária de informática e também responsável pela ordem do segundo andar onde ficam os computadores. É lá que acontecem as transmissões de códigos entre internautas e o mundo. Uma das telas de 15 polegadas mostra a pesquisa de um estudante sobre do número Pi. A vista do Farol é fascinante e logo atrás de ondas cinzentas de prédios está a Serra do Mar. Estamos no mirante da torre de dez metros e Leila Loreny, auxiliar de limpeza do espaço, enfrenta o medo de altura e saca histórias e curiosidades da CIC. Ela comenta que não tinha o hábito de ler antes de trabalhar no Farol do Saber e relembra o dia em que o livro “Cinderela Chinesa” apareceu em sua vida e descobriu o prazer da leitura.

A programação do Farol do Saber Frei Miguel inclui atividades recreativas como xadrez e contação
de histórias. O Jornal da CIC recomenda que você vá até o Farol, escolha um entre os mais de 5 mil livros disponíveis e busque prazer na leitura. Esperamos que você encontre!
Colabore com os níveis de leitura no Brasil!
Responda ao questionário:
Quantos livros inteiros você leu nos últimos três meses? E no último ano? Qual você gostou mais?
Conte sua história com os livros pra gente. Use a hashtag #EuLeioCIC nas redes para localizar o assunto na internet!

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove + treze =